Rafaela Ravena

Rafaela Ravena na Revista SEXY. Quanta mulher!

Com todos os atributos pra lá de generosos, a loiraça Rafaela Ravena é uma perfeita bombshell em versão brasileiríssima.

fotos_ Marcus Steinmeyer / realização_ Laisa Marçuli D’Ambrosio / beleza_ Lucas Stocco / stylist_ Juliana Issa / assistente de fotografia_ Cristiano Rolemberg / assistente produção_ Ana Paula Olival / assistente stylist_ Luisa Amalfi / videomaker_ Rodrigo F. Silva

 

VÍDEO GRÁTIS

 

FOTOS GRÁTIS

Rafaela Ravena - Revista SEXY de maio de 2016
Rafaela Ravena - Revista SEXY de maio de 2016
Rafaela Ravena - Revista SEXY de maio de 2016
Rafaela Ravena - Revista SEXY de maio de 2016

Login Entre e aprecie muitos outros conteúdos.

 

Rafaela Ravena / 23 anos, brasiliense

Não é sua primeira vez nua na sexy, né?
Não. Já tinha feito outro ensaio há cinco anos. Não era de capa. Era o primeiro ensaio da minha vida. Eu era novinha na época. Tinha silicone, mas bem menor e era bem mais menininha…

Falando nisso, Quantos ml de silicone?
600 ml em cada seio.

Você não tinha nada?
Não tinha quase nada. Era um ovo frito. Primeiro eu coloquei, mais nova, 400 ml, depois eu aumentei. 400 já é grande, mas coloquei a de 600 porque estava nos EUA. Eu morava em Miami e lá a moda é ter peitão. Fui num cirurgião plástico e ele me convenceu. As opiniões divergem, tem quem ache exagerado e tem quem ache lindo. Nos EUA, as pessoas adoram. Eu trabalhei lá em vários lugares, em balada, de garçonete, e eu ganhava muitas ‘tips’ (gorgetas). Lá é cultural, eles dão gorgeta pra tudo e eu ganhava muito com meus peitos grandes (risos). Era divertido.

Quando você voltou pro Brasil, se arrependeu?
Não. Percebi que está um pouquinho fora do padrão, as meninas têm menor. Mas não me arrependi, não.

Gosta de ficar pelada?
Nossa, gosto muito, uma sensação de liberdade incrível. Fico pelada em casa, pra fazer faxina, principalmente (risos). Mas fecho a janela, para os vizinhos não verem.

Que Azar o deles! tá solteira?
Terminei um namoro há pouco tempo, no fim do ano passado, quando voltei de Miami. Foi por causa da distância. A gente falou que ia continuar, mas só na teoria que isso dá certo. Você vai conversando por Facetime e Skype, mas tem uma hora que a presença faz falta, né?

Demais! Você é abordada nas redes sociais?
Sim! Tem muita conversinha fiada, proposta furada, uns papinhos nada a ver. Eu ignoro, porque eu tô meio benzida dessas coisas. Se você for filtrar, 99% é furada.

E nudes? Recebe muito A famosa foto de pinto…
Nossa, muito! Os caras são totalmente sem noção. Às vezes começam o papo até bonitinho, de forma educada: “Oi, prazer, gostaria de te conhecer”. Aí, do nada, manda uma foto (risos). E uns pintos horrorosos ainda por cima. Eu teria vergonha.

Vamos falar de sexo…
Sim, mas sou um pouco tímida. As pessoas não imaginam, mas sou. Vou tentar falar sem tabu.

Isso é o mais importante. Você é hétero?
Acho que hoje em dia não existe mais preto e branco. Talvez pra homem, porque a sociedade é meio machista. Eu já fiquei com meninas, mas me considero heterossexual. Acho que tenho, em geral, uma conduta hétero, mas já…

Já transou?
Ah, já tive um namorado que sugeriu que a gente chamasse uma menina e foi legal. Mas nunca tive só com uma mulher, nem pretendo.

Você prefere algum tipo de homem?
Não adianta o homem ser lindo e na hora de conversar ele é uma porta. Já viajei muito, então gosto de sentar, conversar com uma pessoa e o assunto fluir. Se eu quiser falar das próximas eleições dos EUA, falar mal do Trump… Enfim, é importante que o cara saiba falar dessas coisas também e não saiba só falar de whey (risos). Não dá. Mas também não dá pra dizer que o homem tem que ser só inteligente. Tem que gostar de se cuidar, como eu.

Nessa de ficar com cara muito ligado no próprio corpo, já aconteceu de ficar com alguém que preferia se olhar no espelho a olhar você?
Não cheguei a ficar, mas já comecei a sair e cortei porque achei que ele preferia homens. Principalmente fora do Brasil, muito pelo fato de serem mais modernos, eles acham normal ficar com outro homem. O brasileiro fica ofendido se você chama de viado. Lá fora, não. Ele fala: “Sou moderno, gosto de ficar com mulher e às vezes com homem”. Isso é comum na Europa e nos EUA.

Como você gosta da dinâmica do sexo?
Gosto de homem mais romântico, que mande flores, convide pra jantar… Mas no sexo eu curto uma coisa mais selvagem. Puxada de cabelo, tapinhas. Não gosto de sexo muito romântico e meloso. Não 50 Tons de Cinza, mas quase lá.

Uns 49 tons de cinza…
Exato (risos)! Gosto mais quando o homem toma as rédeas. Gosto de uma coisa mais ousada, que ele fale umas coisas. Acho que, se ambos concordarem, tá valendo. Se ele me bateu e eu não reclamei, pode seguir.

Tem algo que você ainda não tenha feito que tenha vontade?
As coisas que eu tinha mais vontade de fazer já saíram do papel. Mas pode ser que eu tenha um namorado e ele me proponha uma outra coisa e eu tope. Não há nada que me faça falar: “Nunca faria”.

É imprescindível que o cara faça sexo oral?
É! Não pode faltar. Se o cara pular as preliminares, não vai ter segunda vez.

E qual a posição?
Eu por cima. Porque é quando sinto mais prazer e tenho um certo controle do ritmo. Mas gosto de várias.

Você chega ao orgasmo só com a penetração?
Não. Como a maioria das mulheres, né? Pra falar a verdade, não sinto muito prazer só com penetração, preciso de um estímulo ou do parceiro ou meu. Por isso sexo oral e preliminares são importantes. Homem que pensa só no próprio prazer tem que voltar pra escola, reaprender a transar. Estão mal-acostumados pelas próprias mulheres. Ainda há repressão. Muita mulher com vergonha do próprio corpo e de ter uma conversa aberta com o parceiro e falar do que ela gosta. Não tenho esse problema. Falo do que gosto, se ele não entender, tento explicar.

Se o cara for te chupar e parecer perdidão…
Eu dou a bússola pra ele, as coordenadas (risos). E ele tem que estar aberto a ouvir, não pode achar ruim. Tem muita mulher casada por 10 anos que às vezes nunca gozou porque tem vergonha de conversar sobre essas coisas.