Katherine Fontenele

Katherine Fontenele tira a roupa pela 1ª vez e se mostra deliciosamente à vontade na Revista SEXY.

A estréia de Katherine Fontenele numa revista masculina é pra você nunca mais esquecer.

fotos_ Rogério Tonello / edição_ Cynthia Silva / stylist_ Dani Nucci / cabelo e maquiagem_ Emerson Bruzon / videomaker_ Rodrigo F. Silva

 

VÍDEO GRÁTIS

 

FOTOS GRÁTIS

Katherine Fontenelle - Revista SEXY de março de 2014
Katherine Fontenelle - Revista SEXY de março de 2014
Katherine Fontenelle - Revista SEXY de março de 2014
Katherine Fontenelle - Revista SEXY de março de 2014

Login Entre e aprecie muitos outros conteúdos.

 

Katherine Fontenele / 23 anos, brasiliense

O que você achou do ensaio?
O ensaio foi supertranquilo. Achei que ia ficar tímida, mas fiquei à vontade. Antes estava nervosa, ansiosa, fiquei três dias sem dormir direito.

Há quanto tempo você trabalha como modelo?
Desde meus 14 anos.

De qual parte de seu corpo você mais gosta?
Ah, as pernas. Eu gosto muito do meu rosto também, mas acho que minhas pernas são singulares. São a minha marca.

A SEXY costuma dar nas capas um modelo de mulher um pouco maior, mais forte. Você já é mais magra. Não tem essa vontade de ficar um pouco maior?
Não quero. Eu sou bem feminina. Acho que o homem tem que estar no comando ainda…

Como assim o homem tem que estar no comando?
A mulher não tem que ser mais forte que o homem. O homem é que tem que levar a situação do casal. Como uma dança. E como o homem vai levar a mulher, se ela for muito fortona?

Você tem namorado?
Não. Estou solteira.

E como está a solteirice?
Tô curtindo bastante. Estou naquela fase de sair bastante. Gosto de festa e adoro praia. Gosto muito de pool party (festa na piscina).

E se o cara chega em você nessas festas, como mostra que está gostando? Que tipo de sinais você dá?
Dá pra perceber. Porque, quando eu não quero, sou curta e grossa. Se eu começo a dar um pouco mais de atenção, já é um bom sinal. Se eu não quero, já chego e falo: “ah, adoro essa música. Deixa eu ouvir essa música”. Mas eu não fico muito em balada. Na balada, eu conheço as pessoas. E, como estou no mundo da comunicação, conheço muita gente todos os dias. Aí fica mais fácil conhecer gente nova.

Aí é adicionar no Facebook e ficar no papinho…
Whatsapp! Gosto disso, de ficar conversando, depois me chama pra jantar. Aquele papinho, bem gentil. É por aí.

E o que você gosta de comer em um jantar?
Eu gosto de comida japonesa, mas eu sou boa de comer. Não tenho frescura.

Rola te levar pra comer baião de dois? Leitão à pururuca?
Vou. Não é meu preferido, mas eu como (risos).

Você acredita em fidelidade masculina?
Pouco. Um dia o homem trai. Eu gosto de me sentir segura. E o pior é que eu sou um pouco sensitiva. Uma vez o cara me traiu e eu sonhei com isso. Ele negou, mas eu terminei mesmo assim.

Você terminou o namoro baseada em um sonho?
Terminei. Ele me chamava de louca. Mas eu sabia. Depois descobri que ele me traiu com a pessoa que eu sonhei, na mesma noite em que eu sonhei. Eu tenho muito isso de sentir as coisas. Se fico paranoica, pode ter certeza de que tem coisa.

Como você gosta que o cara se comporte na primeira noite?
Tem que ser uma mistura de carinho e pegada. Eu gosto muito de pegada, mas não dá pra ser aquela coisa muito animal, também. Gosto de beijo, falar no ouvido, suspirar…

Falar no ouvido que tipo de coisa?
Sei lá (risos). Fico tímida. Qualquer coisa. Mas não putaria. O olhar é muito importante, também.

Em qual posição você se sente mais excitada?
Gosto de quatro e gosto muito de ir por cima. Acho importante olhar no olho…

De quatro fica mais difícil de olhar no olho, né…
É. Mas dá pra olhar, sim (risos).

Já fez sexo anal? Gosta?
Já fiz e teve uma vez que foi bom. Depende do cara. Não é meu preferido, mas já tive uma experiência legal. Já tinha intimidade e já rolava aquele tesão absurdo, monstro. Tem que ser no auge, senão machuca.